< Voltar

A voz de Albion: Shaun Lawton

O dublador Shaun Lawton traz sua ilustre presença ao mundo de Albion.

12 de julho de 2019 10:02 por PrintsKaspian


Durante os últimos anos, a comunidade Albion Online conheceu Shaun Lawton como a “voz de Albion”. Ele narrou inúmeros trailers e vídeos para o jogo desde antes do lançamento, com sua notável voz se tornando parte integral da identidade de Albion.

Shaun possui uma carreira rica e diversa: após chegar em Berlim ao final da década de 70 para o que deveriam ser apenas seis meses, ele decidiu ficar, e mora aqui desde então. Papéis em filmes e televisão logo vieram, gerados por contratos na comunidade teatral de Berlim Ocidental. Durante as décadas em Berlim, Shaun se encontrou com uma demanda particularmente forte como ator de dublagem, e como um falante nativo da língua inglesa, capaz de inúmeros sotaques, ele fez papéis de vozes em alemão e inglês.

Entre os primeiros papéis para Albion Online está o vídeo de destaque do Príncipe Demônio em 2015, onde ele deu voz a um infeliz e despreparado aventureiro sobre o que ele encontraria:

No início de 2017, ele narrou o trailer de pré-lançamento “O que é Albion Online?”, que define os focos principais do jogo: a economia baseada nos jogadores, o sistema “você é o que você veste”, combate intenso e propriedade de guildas e territórios. O vídeo introduziu incontáveis jogadores ao mundo de Albion, e, hoje, tem quase 3 milhões de visualizações.

Recentemente, conversamos com Shaun para discutir suas décadas de experiência como ator de voz, seu processo de gravação para jogos e programas animados, e como ele começou a atuar.

Você fez alguns jogos, incluindo Die Siedler / The Settlers com a Blue Byte. O trabalho nos jogos é diferente de outros trabalhos de dublagem?

Eu fiz alguns trabalhos de dublagem, como School for Vampires e outras animações, onde eu faço a voz e eles desenham depois. Com jogos, geralmente eu faço várias vozes diferentes para cobrir vários personagens. Contanto que haja tempo suficiente entre as vozes, você não consegue dizer que todos são eu.

Qual é o seu processo quando você trabalha com Marie (Havemann, designer de som)? Como você se comporta em uma sessão de gravação?

Para mim, eu preciso que alguém me indique onde minha voz está durante a sessão. E eu sei que Marie é uma excelente música, e eu preciso de alguém para me indicar onde minha voz está, ou onde deveria estar ou onde não está, e tudo junto. E ela é boa nisso. Ela precisa me manter no caminho certo, porque eu posso falar uma frase de muitas formas. Você precisa de alguém para garantir que você esteja no espírito.

Ela é boa, como produtora, o que é muito útil para mim. Eu posso fazer qualquer tipo de dublagem se a pessoa consegue trabalhar comigo. Geralmente eu faço vários takes, e começo da forma como acho que deveria ser. Eu ando ao redor de um círculo, e volto para onde comecei – ou próximo disso.

Como você começou a atuar?

Quando eu tinha doze anos, uma das minhas professoras estava planejando uma peça de natal na escola. Eu levantei para ler o roteiro, ela me escolheu logo de cara, e eu fiz o papel de José.

Eu nasci em uma cidade mineradora, habitada por quacres, então não havia bares. Mas nós tínhamos um salão de banda, e fazíamos pantomimas… Então eu comecei a atuar, e entrei na comédia. E crescendo uma infância em tempos de guerra, eu realmente fiquei preso naquela vida até os 29, quando fui para Londres. Fui para Londres para me encontrar. Não sabia que eu poderia atuar ou algo do tipo, a ideia era apenas achar algo.

Após se mudar para Berlim, sua abordagem foi trabalhar duro mas não forçar as coisas – para deixar o trabalho vir até você naturalmente. É interessante que você tenha se envolvido com a indústria de jogos, o que nem existia (ao menos como possibilidade para atores) quando você chegou.

Eu nunca imaginei que pudesse usar minha voz quando ainda estava na Inglaterra. Tudo começou quando eu me mudei para Berlim, encenando no palco, e então as pessoas precisavam de dublagem para vários trabalhos técnicos, coisas do tipo. Eu fazia tudo que aparecia no meu caminho. Eu não busquei dublar jogos, mas muitos deles apareceram para mim, o que é para mim é reconfortante.

Como a dublagem mudou ao longo dos anos? Antes era feita em fitas, em um estúdio de gravação; agora é tudo digital e você pode gravar em quase qualquer lugar.

Recentemente eu fiz uma sessão apara a Hyundai em um estúdio em Berlim, com outro estúdio em Stuttgart me dando instruções. No início, anos atrás, muito do trabalho era sincronização de falas em fitas, necessitando aprender rápido as falas e dublá-las corretamente ao olhar para a tela.

Eu imagino que seja muito exaustivo, um processo quase atlético.

Eu posso estar cansado, mas quando chego no estúdio o meu corpo acorda. O mesmo com a atuação: você tem uma noite ruim de sono e dorme por apenas quatro horas, mas ao chegar no palco suas energias se recuperam. Sir Lawrence Olivier, logo antes de morrer, eles o trouxeram do hospital… e assim que as luzes se acenderam, ele era Olivier novamente, e voltava à vida. Algumas vezes você começará a sessão se sentindo cansado, mas quando você está lá, é sua responsabilidade, para você para os outros, encontrar um jeito de recuperar as energias.

Se eu fiasse no norte da Inglaterra, já estaria aposentado há anos, e meus cabelos estariam mais grisalhos que agora… Eu vi todos os meus colegas assim há 40 anos, e pensei, eu não vou ficar aqui. Posso me manter fazendo isso agora, e a energia ainda está aqui. Essa é uma boa sensação.

Confira esses novos e clássicos clipes de Albion interpretados por Shaun:


Notícias mais recentes



Publicações mais recentes



Vídeos mais recentes